Arquivo da categoria: Nutrição

O Veneno Está na Mesa (doc)

Documentário de Silvio Tendler denuncia os altos níveis de agrotóxicos usados no país e os riscos dessa utilização para a saúde humana e ambiental.
  •  No último dia 25 de julho, foi lançado no Rio de Janeiro o documentário “O Veneno está na Mesa”, de Silvio Tendler. Em cerca de 60 minutos, o filme mostra como o país facilita o consumo dos agrotóxicos e como movimentos sociais e setores do próprio governo como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Nacional do Câncer (Inca) têm tentado, de formas distintas, alertar sobre o problema. Com entrevistas de trabalhadores rurais, pesquisadores da área da saúde e diversos dados e informações inéditas, o documentário denuncia casos de contaminação pelo uso de agrotóxicos, inclusive com a morte de um trabalhador, e mostra como é possível estabelecer outro modelo de produção sem o uso de venenos, baseado na agroecologia. Em estreia lotada, com a presença de mais de 700 pessoas, Silvio Tendler pede que o filme circule por todo o país. Como as cópias não serão vendidas, ele autoriza as pessoas a reproduzirem o documentário para que o sinal de alerta chegue a todos os cantos do país e anuncia que em breve o filme também estará disponível na internet.
Assista! 
( por favor divulgue )

Por uma agricultura sem agrotóxicos: ‘O veneno está na mesa’, entrevista com Silvio Tendler.
Publicado em agosto 1, 2011


O filme foi construído em constante diálogo com movimentos sociais. Essa experiência foi diferente dos outros filmes?

Do ponto de vista da produção é o primeiro trabalho junto com os movimentos sociais, mas do ponto de vista da difusão, não. Meus filmes sempre estiveram vinculados aos movimentos sociais – eu filmei a inauguração da Escola Nacional Florestan Fernandes [Enff/MST], projetei meus filmes lá. Eu circulo por esse país apresentando os filmes aos movimentos sociais, então, sempre tive essa vinculação. A produção de um trabalho em conjunto, que para mim é uma coisa muito honrosa, é a primeira vez. E eu acho até que é o resultado natural do processo. Depois de fazer tantas coisas juntos, é normal que a gente pense em fazer um filme juntos. No caso do filme sobre os agrotóxicos, acho que foi um casamento natural que ‘juntou a fome com a vontade de comer’. Há uns dois anos eu estive no Uruguai e conversei com o [escritor] Eduardo Galeano, aí ele me falou que o Brasil é o país que mais usava agrotóxicos. Ele disse isso com uma certa tristeza por ser o Brasil, e, sobretudo, pelas circunstâncias políticas que nós vivemos. Aí eu voltei para o Brasil com a ideia de fazer alguma coisa sobre os agrotóxicos. Pensei em fazer uns spots para colocar no Youtube, conversei sobre isso com o [João Pedro] Stedile [coordenador nacional do MST] e ele deu força, então começamos a conversar. Um dia ele falou: ‘Olha, está surgindo um movimento muito forte contra os agrotóxicos e eu acho que dá para juntar com aquela sua ideia do filme’. Desse casamento, nasceu ‘O veneno está na mesa’.

 
A expectativa que você tinha antes de ir a campo realizar as filmagens e entrevistas se confirmou durante o processo?

O documentário sempre supera as expectativas. Sempre a realidade é mais forte do que a ficção. Eu sou documentarista por isso, porque acho que a realidade é muito forte. Em primeiro lugar pudemos ver que o veneno contido nos agrotóxicos não é um fato teórico, é uma realidade muito dura e muito difícil, mais dramática do que eu imaginava. E segundo que o trabalho e a luta das pessoas que reagem e enfrentam também é muito difícil, então, nesse sentido, é um filme mais completo do que o meu imaginário e muito mais forte. Eu estou muito feliz por estar fazendo esse filme.

Quanto tempo durou o processo de filmagem?

Uns seis meses. Começamos no final do ano passado. Fizemos com muito pouco recurso, é um filme muito barato para o que ele é. Fizemos filmagens em Porto Alegre, Ceará, Espírito Santo, envolvemos muita gente, fizemos tudo com muito carinho, com a maior qualidade. Temos três grandes atores narrando o filme – Julia Lemmertz, Caco Ciocler e Dira Paes – além de um diretor de teatro que é um ícone para essa garotada, que é o Amir Haddad. Então, temos um produto com um baita acabamento e muito pouca grana. Muito mais barato do que essa campanha que está no ar hoje de defesa do agrotóxico [a campanha Sou Agro]. A diferença é que fizemos com paixão e com carinho, e não com grana.

Diante dessa forte propaganda do agronegócio em defesa do modelo de produção que utiliza agrotóxicos, o que você espera da difusão do filme?

Eu espero esse entusiasmo da juventude, da militância. Na verdade, esse é um filme que de uma outra forma eficaz combate a pirataria, porque na verdade as cópias serão dadas e não vendidas, então, ninguém vai comprar. O filme segue com o selo “copie e distribua”, e eu espero que essa forma de a gente trabalhar funcione, por exemplo, como a eficácia de um blog na internet, pelo qual as pessoas se informam. Esse filme, de uma certa maneira, é um blog em forma de DVD, que será distribuído, vai circular, as pessoas vão assistir e vão criar um movimento de consciência de que realmente o agrotóxico é uma coisa muito ruim para todo mundo. A mensagem é que nós podemos construir uma agricultura sem agrotóxicos. Que, a partir do momento em que a sociedade se organiza e se mobiliza, nós podemos começar a pensar na vida sem agrotóxico, pensar num outro projeto de vida que a gente quer fazer. E essa mudança em relação aos agrotóxicos pode funcionar daqui para frente em relação a tudo o que queremos da vida.

 
Entrevista concedida a Raquel Júnia – EPSJV/Fiocruz. Fotos: Raquel Torres – EPSJV/Fiocruz

Alimentação Sustentável. A Multi-mistura

Apesar de curto, o documentário é dividido em 5 partes:

1- Saúde na Alimentação
Mostra que “fome oculta” (quantidade e pouca qualidade) está mais ligada à cultura do que à falta de alimentos. Comendo alimentos de qualidade, em vez da alimentação pobre industrializada, se pode economizar 30% do orçamento familiar.
Os alimentos para os grandes centros urbanos geralmente vem da monocultura,que traz o seguintes prejuízos: êxodo rural, pouca variedade de alimentos, uso de sementes manipuladas geneticamente, empobrecimento e contaminação dos alimentos, do solo e da água, sem falar no desperdício no transporte e armazenagem, que é responsável pela perda de 40% de tudo o que se produz.

2- A Multimistura
A dra. Clara Brandão, nutróloga e pediatra, pesquisou anos a fio até descobrir componentes hiper-nutritivos, baratos e eficientes. Se tornou o pesadelo das farmacêuticas e planos de saúde, tanto é que há um Lobby imenso das mesmas para tentar proibir sua ação no Brasil. Veja o maravilhoso caso do Centro Comunitário da Criança, que vivia com o problema da desnutrição, e que depois da multimistura, além de ter suas crianças extremamente saudáveis, gera renda com a venda da mesma.
Na palestra da nutróloga em que o docverdade esteve presente, viemos a saber que o programa Multimistura está sendo aplicado em estados do Brasil, em dezenas e dezenas de países da África, Ásia e América Latina, acabando com casos extremos de quase morte por desnutrição à vida saudável e sem cáries. Clara Brandão recebeu vários prêmios internacionais, inclusive da Unesco.

3- Como fazer a Multimistura
Pó de Folhas verdes escuras (mandioca, batata-doce, abóbora, hortelã ou chuchu, etc.), Farelo de trigo, farelo de arroz, pó de sementes (de gergelim, girasol, melão ou abóbora) são os ingredientes da Multimistura. Essa parte ensina passo-a-passo a como preparar cada ingrediente, mostrando também a quantidade de nutrientes de cada um (ex.: a folha da mandioca contém 180 vezes mais vitamina A que o leite, as folhas da abóbora contém 4 vezes mais cálcio)

4- Aproveitamento Alimentar
Nas cascas, talos, folhas e sementes é onde estão as principais fontes de nutrientes. Saiba como utilizar.

5- Hortas Perenes
As plantações nativas de cada região quase sempre são as mais saudáveis e muito resistentes, de fácil reprodução e plantação, menos sujeitas às pragas e consequentemente menos dependentes de insumos químicos.


Assista!


O Futuro Dos Alimentos – The Future Of Food (doc)

O filme expõe as alternativas à agricultura industrial de larga escala, apresentando a agricultura orgânica e sustentável como soluções reais à crise agrícola que se vive atualmente.
Está ocorrendo uma revolução nos campos de cultivo e nas mesas de jantar da América, uma revolução que está transformando a própria natureza dos alimentos que comemos. “O Futuro dos Alimentos” oferece uma investigação aprofundada à verdade perturbadora que se encontra por trás dos alimentos geneticamente modificados, patenteados e não rotulados, que, de forma silenciosa, têm enchido as prateleiras das lojas dos Estados Unidos durante os últimos 10 anos. Das planícies de Saskatchewan, no Canadá aos campos de Oaxaca, no México, este filme dá voz aos agricultores cujas vidas e sustento têm sido prejudicados por esta nova tecnologia. As implicações para a saúde, as políticas governamentais e a globalização são razões para alarme por parte de muitas pessoas, devido à introdução de colheitas geneticamente alteradas no nosso sistema de distribuição de alimentos. Filmado nos Estados Unidos, no Canadá e no México, “O Futuro dos Alimentos” examina a complexa teia das forças políticas e de mercado que estão anterando aquilo que comemos, enquanto grandes empresas multinacionais procuram controlar o sistema alimentar do planeta. 

Assista!

O Alimento é Importante – Food Matters (doc)


O Alimento é Importante – Food Matters (2008)
(EUA, 2008, 78 min.- Direção: James Colquhoun e Carlo Ledesma)



Excelente, fundamental e imperdível!!!
O melhor documentário de saúde e alimentação postado até hoje aqui no docverdade. Altamente indicado para os pacientes de câncer, depressão e outras doenças crônicas, assim como para qualquer pessoa que queira ter uma vida saudável. O filme confronta a medicinal tradicional com a ortomolecular, a medicina baseada na nutrição. Mostra quão equivocada está a nossa maneira de tratar as doenças.


O filme também mostra o ciclo vicioso da agricultura extensiva, que acaba com os nutrientes do solo, formando plantas mais frágeis aos ataques de pestes, que acaba levando a aplicação de pesticidas, que as contaminam, que acabam envenenando quem as come, que se tornará mais fraco e buscará medicamentos. A perda de nutrientes pelo envelhecimento da comida através do transporte e pela própria carência de minerais do solo e o processo de cozimento dessa comida, que acaba com os elementos essenciais para a vida, contribui ainda mais para esse terrível quadro nutricional.


Você sabia que 70% dos pacientes de qualquer estágio de câncer tratados com quimioterapia, radiação ou cirurgia morrem em menos de 5 anos? E que mais da metade dos pacientes em estado avançado de câncer tratados com vitaminas e com alimentação baseadas muitos vegetais crus sobrevivem?


Nessa história, os únicos que ganham são as indústrias químicas e farmacêuticas, que contam com a desinformação da sociedade.
(Comentário original: Docverdade)


“As pessoas precisam de informação e não de medicação”

Download:
Megaupload
ou
Torrent (TPB)Legendas pt-br
Agradecimentos a Monica W.

Food, Inc / Comida, S.A. ( doc )




Se você ainda acredita nas imagens das belas fazendas estampadas nas embalagens da comida que você compra nos supermercados, assista a esse filme.
Um número reduzido de poderosas corporações está dominando quase todo o mercado americano de comidas. E sendo corporações, a visão sobre o assunto é lucro e não saúde. Talvez seja por isso que a maioria dos diretores dos órgãos de controle nos EUA seja ex-funcionários de grandes empresas.
Veja como isso se reflete na qualidade dos produtos que ingerimos, veja como estão mudando a criação desses animais e como estão mudando esses próprios animais. Conheça os riscos para as pessoas e para o planeta.

Food, Inc. – Comida, S.A. (2008)
(EUA, 2008, 94min – Direção: Robert Kenner)

O Milagre de Gerson ( doc.)

O Milagre de Gerson – The Gerson Miracle (2004)

                (Canadá, 2004, Direção: Stephan H. Kroschel)




Se você tem ou conhece alguém que tenha é intereessante ver esse filme!

Seguindo a proposta do documentário “Food Matters”,  se aprofunde na Terapia do médico Max Gerson. através do filme Gerson’s Miracle, que é considerada por muitos o tratamento mais efetivo contra o Câncer.
O tratamento ataca o câncer baseando-se na NUTRIÇÃO, tendo uma enorme porcentagem dos seus pacientes totalmente curados, sem quimioterapia, sem radiação, sem cirurgia, sem náusea e sem perder cabelos.

Além disso o filme mostra com detalhes, os processos de se extrair dos alimentos os nutrientes necessários para o tratamento bem como os procedimentos de se fazer a desintoxicação dos elementos químicos nocivos acumulados durante a nossa vida.
O documentário também é um manual prático das coisas principais que devemos comer e aquelas que devemos evitar.
Apesar de não ser divulgada pela mídia comum, a Terapia de Gerson curou dezenas de milhares de pacientes de Câncer, bem como diabetes e muitas outras doenças. Para os que já não acreditam nessa mídia, torna-se muito mais fácil acreditar nesse tratamento.

Visite também www.gerson.org

Download:
TorrentLegendas ENG (Richard e Monica w.)Legendas pt-br (Richard e Monica w.)

ou
Megaupload

Para baixar todo os livros, livretos, gravações e vídeos do Instituto Gerson: Torrent
Para Baixar somente os livros e livretos (pdf) MediaFire

Baixe também: Gerson Theraphy Handbook

Do site: docverdade.blogspot.com

Sete energéticos naturais



por Redação EcoD

Se você se sente cansado e sem disposição ao longo do dia ou é daqueles que só começa a produzir se tomar uma dose generosa de café, atenção! A nutricionista e doutora em medicina natural, Michelle Schoffro Cook, alerta que o excesso de cafeína pode trazer riscos à saúde, e lista outras sete opções naturais para garantir energia e saúde durante todo o dia.
De acordo com a especialista, apelar para o café pode causar dependência, variações dos níveis de açúcar no sangue e destruição da glândula adrenal – o que o torna mais vulnerável ao estresse. Veja abaixo algumas alternativas mais saudáveis para se manter cheio de disposição.


1. Pólen de abelha
De acordo com Michelle, o pólen é apresentado como uma fonte de juventude por muitos livros antigos, incluindo o Talmud, a Bíblia, o Alcorão, e pergaminhos do antigo Oriente, Grécia, Roma, Rússia e Oriente Médio. “Atletas da Antiga Grécia comiam pólen de abelha regularmente para aumentar sua força e vitalidade”, diz. Para completar, a nutricionista informa que descobertas científicas recentes apontam que a substância tem propriedades anticancerígenas.
Ainda segundo Michelle, o pólen de abelha possui 22 aminoácidos, antibióticos naturais, DNA e RNA (código genético) das plantas, 18 enzimas (que auxiliam na digestão e em outras funções corporais), glicosídeos (fontes naturais de energia no corpo), hormônios vegetais, 27 minerais e pelo menos 16 vitaminas. Portanto, não é nenhuma surpresa que essa substância aumente a energia e vitalidade. A única contraindicação é para quem sofre com alergias ao pólen ou a abelhas.

2. Geleia real
A geleia real é o resultado natural da combinação do mel com o pólen. De acordo com a especialista, esta é uma mistura poderosa de vitaminas do complexo B. A geleia também contém vitaminas, minerais, hormônios, enzimas, 18 aminoácidos e substâncias antibacterianas e antibióticas.
Ela tem sido tradicionalmente utilizada para tratar a asma, pancreatite, doença hepática, insônia, úlceras estomacais, doença renal, fraturas ósseas, problemas imunológicos e doenças de pele. Para completar, a geleia real também é eficaz para aumentar a energia, garante Michelle.

3. Ginseng siberiano
Como o nome sugere, o ginseng siberiano tem origem na Sibéria, mas cresce também no Japão, China e Coreia e em partes do Canadá. “Ele tem sido usado medicinalmente há pelo menos dois mil anos”, diz Michelle. O ginseng siberiano é apenas um de uma série de ervas adaptogênicas, o que significa que ele trabalha para normalizar as funções corporais. A substância inibe a resposta adrenal ao estresse e funciona como um estimulante do sistema imunológico, especialmente para combater os efeitos do estresse e da depressão. Ela ainda ajuda a desintoxicar o fígado, incluindo os agentes quimioterápicos e a radiação.
“O ginseng siberiano também estimula a atividade de vários componentes do sistema imunológico, sendo excelente para a Síndrome de Fadiga Crônica e outras infecções virais”, diz. De acordo com Michelle, atletas de todo o mundo usam o ginseng siberiano para aumentar o desempenho, reforçar o sistema imunológico durante os treinos, e reduzir a fadiga e o estresse.

4. Espirulina
O povo asteca descobriu que a espirulina, uma alga unicelular que eles chamaram tecuitlatl, fazia bem para o corpo e logo a incorporaram à sua dieta. Ela é rica em proteínas, além de ser uma grande fonte de vitamina B12 (muitas vezes chamado de “vitamina da energia”), possui oito minerais e vitaminas, incluindo sete tipos de precursores de vitamina A, conhecidos como carotenóides. Ela também é repleta de clorofila, o pigmento verde que dá cor à alga e que possui propriedades de purificação do sangue. E, claro, aumenta os níveis de energia.

5. Centella asiatica
De acordo com Michelle, a centella (ou centelha) asiática é uma erva repleta de nutrientes e fitoquímicos. Como uma das primeiras plantas energéticas utilizadas pelos herbalistas, a centella asiática diminui a fadiga e a depressão, sem os efeitos nocivos da cafeína. Na verdade, ao contrário da cafeína, que pode mantê-lo acordado durante a noite, a centella asiática ajuda a melhorar o sono.


6. Ho shou wu
Também conhecida como fo-ti, a raiz desta videira nativa da China é um poderoso tonificante capaz de aumentar a energia e o vigor enquanto mantém o efeito calmante. Ela contém uma forma natural da lecitina, que ajuda a diminuir a pressão arterial. Em estudos de laboratório, a ho shou wu provou ser capaz de reduzir o colesterol no sangue e os triglicerídeos, além de prevenir o aumento dos níveis de colesterol.

7. Pimenta de caiena
Por fim, a especialista indica o uso da pimenta de caiena, que é eficiente para aumentar a energia e melhorar a circulação. De acordo com Michelle, o alimento também é eficaz para ajudar a evitar resfriados, sinusite e dor de garganta, bem como reduzir a dor e inflamação.
Agora que você já conhece outras formas naturais de manter a energia, é só aproveitar. Mas atenção! “Como todos os medicamentos fitoterápicos, é melhor consultar um profissional de saúde qualificado antes de iniciar o uso de qualquer erva ou suplementos nutricionais”, lembra Michelle.


Do site: EcoD.

Super Nutrição – Algas



Spirulina e Chlorella- Superalimento que vêm das Águas


      Chlorella
                                      
    Chlorella

      Spirulina


        Spirulina

Estas duas algas unicelulares são dois dos mais antigos organismos vivos do planeta, estando presentes na atmosfera terrestre há bilhões de anos. São alimentos originais, criados pela superior inteligência da Natureza, e não geneticamente modificados ou sintetizados pelo homem.


Spirulina e Chlorella: Tesouros do Oceano


Estas duas algas unicelulares são dois dos mais antigos organismos vivos do planeta, estando presentes na atmosfera terrestre há bilhões de anos. São alimentos originais, criados pela superior inteligência da Natureza, e não geneticamente modificados ou sintetizados pelo homem. São formas de vida fortes, que resistiram e se adaptaram a todo o tipo de mudança climática, radiação e até mesmo venenos criados pelo homem que levaram diversos outros organismos à extinção. Naturalmente, conferem a quem delas se alimenta estas mesmas características, o que pode ser especialmente útil no inóspito e árido ambiente que é uma grande cidade poluída.


Spirulina e Chlorella são perfeitos alimentos integrais, verdadeiros super alimentos. São compostos em média de 60% proteína, 19% carboidrato, 6% gordura e 8% minerais biodisponíveis. Não são extratos, concentrados ou amálgamas de vitaminas e minerais, como as fórmulas vendidas que as pessoas geralmente acreditam ser saudáveis. Na realidade, o corpo não absorve mais de 10% destes suplementos vitamínicos, uma vez que estes são mortos e ausentes de enzimas. Por outro lado, comerSpirulina ou Chlorella é como comer qualquer outro alimento integral como banana, maçã ou brócolis. Ou seja, as microalgas são comida, e não remédios.

Spirulina
Análise de média de 3 gramas  (RDA 100% recomendado a ingestão diária)

Ferro: 3 mg. (CDR 25%)
Cálcio: 27 mg
Fósforo: 21 mg
Cobre: 0,1 mg
Zinco: 0,3 mg
Sódio: 450 mg
Selênio: 0.004 mg
Magnésio: 2 mg
Potássio: 63 mg
Manganês: 0,1 mg

Carotenóides totais: 9 mg
Phycocyanin: 600 mg
Beta-caroteno: 4,5 mg
Vitamina F: 66 mg
Clorofila: 45 mg
Proteinas: 1,9 mg
Vitamina B1: 0,15 mg
Vitamina B2: 0,12 mg
Vitamina B3: 0,33 mg
Vitamina B12: 7,5 mg. (RDA 100%)

Beta-caroteno: 4,5 mg


Chlorella

Análise de média de 5 gramas.
                                 5 g % VD *
Valor Calórico 21,0 mil 0,84
Carboidratos 1,0 g 0,4
Proteínas 3,0 g 0,12
Gorduras Totais 0 g 0
Gorduras Vegetais 0,56 g 0,2
Gorduras Saturadas 0 g 0
Colesterol 0 mg 0
Fibra Alimentar 0,03 g 0
Cálcio 10,0 mg 0,40
Ferro 12,4 mg 0,34
Sódio 0 mg 0
Vitamina A 2775 U.I. 3,33
Vitamina B1 0,1 mg 0
Vitamina B2 0,24 mg 0,01
Vitamina B3 0,1 mg 0
Vitamina B12 6,3 mg 0,25
Caroteno 0,2 mg 0
Potássio 44,0 mg 1,76
Iodo 30,0 mcg 1,20
Ácido Oxálico 1,4 mcg 0,06
Ácido Nicotínico 1,20 mg 0,04



Saiba mais:


Alimento que também é medicinal


 Alimentos naturais e integrais contribuem de diversas formas para que o organismo se torne um lugar onde a doença não consegue sobreviver. Uma visão mais acertada de medicina integrada com os princípios da Natureza reconhece que mais importante que combater doenças ou bactérias é fortalecer o terreno biológico para que este tenha a capacidade de ter ativa sua função imunológica e com isto manifestar sua programação original: saúde.

Diversos alimentos integrais apresentam nutrientes e fitoelementos que auxiliam neste processo. Antioxidantes, enzimas, óleos essenciais, vitaminas, minerais e outros, todos contribuem de alguma forma para o fortalecimento do organismo como um todo. A vantagem em se obter estes elementos nutritivos de alimentos integrais, ao invés de em cápsulas sintéticas ou alimentos industrializados “enriquecidos” artificialmente é que nos alimentos integrais e naturais, especialmente quando ainda não modificados de seu estado original, os nutrientes encontram-se conjugados com outros, em perfeita sinergia e biodisponibilidade. Um elemento aumenta a capacidade de atuação do outro, ou seja, o conjunto vale mais do que a soma das partes. Perceba como é maravilhosa a Sabedoria Natural que cria os alimentos com tamanha harmonia!

Como as folhas das árvores, estas microalgas obtém sua coloração esverdeada da clorofila. De acordo com Alan Keith Tillotson, em seu livro “One Earth Herbal Sourcebook,” os elevados níveis de clorofila nestas microalgas podem explicar sua habilidade em interromper as colônias cancerígenas de se formarem. Como Tillotson escreve: “Alimentos e ervas que contém elevado nível de clorofila mostram evidência farmacológica de prevenção do câncer, talvez porque estes pigmentos dos vegetais (e algas) verdes fazem ligação com os químicos causadores de câncer, assim estimulando sua excreção”. Se as células cancerígenas, que ocorrem naturalmente no organismo puderem ser interrompidas antes que estas possam se desenvolver em colônias, então dificilmente será possível desenvolver qualquer câncer sintomático.

A clorofila é uma molécula faxineira. Ela gruda em toxinas dos mais variados tipos, limpa o fígado, oxigena o sangue e ajuda a transformar o organismo em um local realmente desagradável para patogênicos de qualquer tipo, como vírus, bactérias, parasitas e fungos.

A clorofila também tem sido estudada por seu potencial em estimular o crescimento de tecido, e em estimular a produção de glóbulos vermelhos no sangue. Realmente impressionante é a similaridade entre a clorofila e o pigmento vermelho do sangue. De fato, a hemoglobina e a clorofila compartilham uma mesma estrutura molecular chamada “anel porfirínico”. O sangue verde do vegetal nutre o sangue vermelho dos animais. Uma boa indicação de que os alimentos esverdeados deveriam fazer parte da dieta de todo o ser humano. E em abundância.

É interessante o conhecimento de que a Chlorella, em particular, apresenta 70% de sua composição da mais pura clorofila, o que faz dela a maior fonte de clorofila em nosso planeta. Se a clorofila é a luz do sol capturada pela planta através da fotossíntese, eis aqui uma maneira eficaz de levar o seu brilho para o interior dos órgãos do corpo. Eis um alimento solar de primeira grandeza!

A Spirulina, ainda que não seja tão rica em clorofila (35% de sua composição), possui o suficiente para ser considerado um alimento riquíssimo neste pigmento. Apresenta, porém, virtudes exclusivas, como abundância de antioxidantes como alfa e beta caroteno e a phycocianina, um pigmento azul que já foi extensamente pesquisado por seu efeito positivo sobre o câncer.

Como todos os alimentos ricos em clorofila, ambas as microalgas são altamente alcalinizantes para a corrente sanguínea, o que significa que ajudam a restaurar o equilíbrio ácido-alcalino. Em outras palavras, as microalgas ajudam a neutralizar o excesso de acidez causado por comer em excesso carne, amidos, açúcares, refrigerantes e alimentos artificiais. Esta acidez também é acentuada pelo excesso de stress e pelo excesso de exercício.

O PH sanguíneo em seu estado natural é levemente alcalino. Estar no equilíbrio é sentir-se como um peixe dentro da água. É viver em seu habitat natural. Isto produz conforto. Ou seja, alimentos alcalinizantes ajudam a trazer um estado de profundo conforto e bem-estar. O mesmo acontece com práticas de respiração profunda e relaxamento, e é por isto que praticantes de yoga sentem tamanho conforto e bem-estar durante e após as suas práticas.

Qual das duas?

Ambas são parecidas, cultivadas de forma semelhante (em fazendas aquáticas equipadas com laboratórios), ricas em fibras solúveis (que umedecem e ajudam a movimentar intestinos presos e/ou ressecados). As duas ajudam a desintoxicar metais pesados do organismo e são extremamente nutritivas, ainda que em cada uma delas existam benefícios exclusivos.

A Spirulina é uma microalga azul-esverdeada. Tem gosto de mar. Seu formato é espiralado, o que explica seu nome. Cresce no oceano e também em grandes lagos, e multiplica-se com velocidade tão grande que podemos dar a ela o mérito da metabolização de metade do oxigênio do planeta!

Além de todas as incríveis características mencionadas, que deveriam saltar aos olhos de qualquer nutricionista que entende sua profissão, a Spirulina é ainda mais rica em vitamina E do que o germe de trigo, possui mais óleos essenciais anti-inflamatórios (GLA/EFA) do que a linhaça, sendo que um destes ácidos graxos essenciais (o GLA) é carente em todos aqueles cuja amamentação foi prematuramente interrompida. Por conseguinte, para prevenir a degeneração cerebral e ampliar a capacidade deste órgão, alguns tomam cápsulas de óleo de peixe para obter este nutriente. Mas de onde será que o peixe obtém este óleo?

Como se não bastasse, Spirulina possui fatores de crescimento que estimulam a multiplicação da boa flora intestinal. Tal alimento recebe o título de prebiótico, ou seja, um alimento que nutre os probióticos (também chamados de lactobacilos) que tanto beneficiam a limpeza e imunologia no tubo digestivo.

Dr. David Williams, famoso editor de Alternatives For The Health Conscious Individual (alternativas para o indivíduo consciente de saúde), afirma: “se eu fosse forçado a me limitar a apenas um suplemento, Spirulina seria definitivamente minha primeira escolha!”

Chlorella (nome que significa “pequena esverdeada”) é uma microalga unicelular redonda e como a Spirulina invisível ao olho nu. É talvez o primeiro organismo do planeta a apresentar um núcleo. Cresce em lagos, mas também no oceano. Seu sabor é parecido com o de grama fresca (o quê? Não vá me dizer que você nunca comeu grama?!?).

No Japão, categorizada como complemento alimentar, é o alimento de saúde mais vendido de todos, utilizado por bebês, crianças, jovens, adultos e idosos. Riquíssima em vitaminas e minerais de todos os tipos, especialmente em Zinco, é de longe a mais rica fonte dos rejuvenescedores RNA e DNA, os próprios fundamentos de construção da vida!

Chlorella é o mais pesquisado de todos os alimentos esverdeados do planeta e apresenta efeito comprovado em numerosos benefícios tais como melhoramento do sistema imunológico, desintoxicação de metais pesados e pesticidas, “atividade anti-tumoral” e, por causa de um composto denominado CGF (Chorella Growth Factor, ou fator de crescimento), melhoramento da atividade das células brancas de defesa e maior rapidez na regeneração de feridas e úlceras!

Michael Rosenbaum, MD, MSC, notável medico especializado em medicina nutricional, escrevendo para o M.D.’s Nutritional Bulletin, na primavera de 2001, diz que a chlorella é “de longe o melhor e mais poderoso dos nutracêuticos , alimentos funcionais que provêm ao corpo com a nutrição adequada para nutrir a si próprio. Não há nada melhor para lhe ajudar a se sentir da maneira como você sempre quis!”

Se estes não são alimentos cuidadosamente elaborados pela Rainha Natureza para nutrir profundamente o ser humano, então, caro amigo, eu não sei o que pode ser. “Açucrilhos”, talvez?

Uma escolha entre as duas é uma tarefa realmente difícil. Melhor mesmo é não ter de escolher entre tantos benefícios e enriquecer sua alimentação com as duas, uma vez que estas oferecem benefícios e nutrientes diferentes e complementares.

Quando, quanto e como utilizar?

Tanto a Chlorella como a Spirulina são disponibilizadas em forma liofilizada (em pó) através de um processo chamado freeze drying, que conserva a maior parte de sua delicada estrutura nutricional. A Chlorella, ao contrário da Spirulina, possui uma membrana que não pode ser digerida pelo aparelho humano e portanto é necessário que o baú de seus tesouros nutritivos seja aberto através de um processo que rompa sua parede celular por alta pressão.

Você pode misturá-las no que quiser, e até criar delícias gastronômicas exóticas com as mesmas, como molhos, patês, etc. A Spirulina é apresentada em pó e pode ser batida com bananas maduras (ou outra fruta) e água pura, por exemplo, forma uma deliciosa bebida para antes e/ou depois de uma atividade física. Imagine o quão vitalizante pode ser um alimento em forma de espiral! Diversos são os atletas que não apenas imaginam, mas fazem uso constante desta maravilha.

A Chlorella, por sua vez, é apresentada em forma de comprimidos, o que é algo bem prático para se carregar na bolsa e na mochila e tomar com bastante água nas seguintes ocasiões:

 Antes das refeições, quando se quer complementar o valor nutritivo da mesma e/ou amenizar possíveis efeitos reversos em alimentos menos do que ideais.

Antes ou durante viagens de avião para proteger o organismo da radiação da cabine (que é bem alta).

Quando não há nada puro e saudável para comer (ou seja, quase sempre nesta civilização) e deseja-se apenas nutrir o corpo até que algo de bom se torne disponível.

A dosagem recomendada varia de pessoa para pessoa, e deve-se começar com pouco e ir gradualmente aumentando a quantidade para evitar chocar o organismo com seu forte efeito nutritivo e desintoxicante.

Mike Adams (www.naturalnews.com), um especialista em nutrição natural e atleta, recomenda a dosagem-alvo de 10 gramas de Spirulina (1 colher de sopa) e 5 gramas de Chlorella (20 micro comprimidos de 250mg)por dia. Ele afirma que desde que começou a usufruir das microalgas, obtém delas o núcleo de sua nutrição e o resto do que come é apenas para fazer volume. Obviamente, esta é a dosagem que ele descobriu funcionar para si próprio. É importante que cada um experimente para sentir aquilo que lhe faz bem.

As microalgas, na concepção de alguns especialistas renomados, não são algo que se deve utilizar vez por outra quando se deseja a recuperação de algum sintoma de doença, ou uma energia extra. Ao invés disto, algo que deve fazer parte da dieta diária para o resto da vida de todo aquele que tiver condição de fazê-lo.*

Este que escreve, ao tomar conhecimento dos pormenores acerca destas duas maravilhas alimentícias, resolveu experimentar em sua dieta para ter uma vivência direta dos benefícios alardeados. O resultado? Força, serenidade, leveza, bem-estar, o tempo todo e todo o tempo. Sentiu seu apetite diminuir muito, resultado da ingestão de tamanha densidade e qualidade nutritiva. Ou seja, o corpo se satisfaz com menos alimento. O que é ótimo quando se conhece as diversas pesquisas sobre longevidade que comprovam a frase: “quanto menos se come, mais se vive”. Ou quando se quer perder excesso de peso!

Existem diferentes subespécies destas duas microalgas, mas aqui me refiro as duas de melhor qualidade: Spirulina Platensis e Chlorella Pyrenoidosa. Não perca tempo nem gaste dinheiro com qualquer outra de qualidade inferior. A Natureza que vive no seu corpo merece o melhor, e nada menos do que isto.

Uma tremenda quantidade de pesquisa científica foi feita em relação a estas duas microalgas em universidades e instituições médicas ao redor do mundo. Elas se provaram como algumas das melhores soluções para os problemas de fome global. Países evoluídos, como o Japão, oferecem as microalgas como enriquecedoras de bebidas infantis e drinks para atletas e executivos atarefados.

*Como todo alimento, existe uma parcela da população que apresenta em sua individualidade biológica algo que o torna alérgico e, portanto, incompatível às microalgas. Caso você sinta náusea ao ingerir qualquer uma delas, interrompa sua utilização. Tente algum outro superalimento, se for o caso. Coisas diferentes funcionam para pessoas diferentes!

*Estes alimentos não são remédios e não devem ser utilizados no tratamento sem supervisão médica. Consulte seu especialista antes de tomar qualquer decisão. Mas, por favor, procure um bom especialista!

Fonte: http://www.moradadafloresta.org.br/

Porque não alho e cebola?


O devoto de Krishna, gourmet, professor, autor e astro de TV Kurma Dasa responde muito esta pergunta. Aqui está sua resposta, bem ponderada.

Uma das perguntas mais comuns feitas a mim é esta: “Por que você não come alho e cebola?”

Aqui está a minha resposta curta: Como um devoto de Krishna e praticante de Bhakti-yoga, não comemos alho nem cebola, porque eles não podem ser oferecidos à Krishna.

Aqui está a minha resposta mais longa: Você pode saber que a cebola e o alho são membros da família botânica aliáceos (alliums) – juntamente com o alho-poró, cebolinha e chalotas.

Segundo a Ayurveda, a ciência médica clássica da Índia, os alimentos são agrupados em três categorias – sattva, rajas e tamas alimentos – nos modos da bondade, paixão e ignorância. Cebola e alho, e as outras plantas aliáceos são classificados como rajas e tamas, o que significa que aumentam a paixão e ignorância.

Aqueles que subscrevem a cozinhar brahmana puro estilo da Índia, incluindo eu mesmo, e Vaishnavas – seguidores do Senhor Vishnu, Rama e Krishna – gosto de cozinhar apenas com alimentos da categoria sattva. Estes alimentos incluem frutas frescas, legumes e ervas aromáticas, produtos lácteos, grãos e legumes, e assim por diante. Especificamente Vaisnavas não gostam de cozinhar com alimentos rajásico ou tamásico porque eles são incapazes de serem oferecidos à divindade.

Alimentos rajásicos e tamásicos também não são usados porque eles são prejudiciais em processos de devoção e meditação. “Alho e cebola são rajas e tamas, estando assim proibídos aos yoguis pois são a raiz de uma consciência mais corpórea”, diz a autoridade bem conhecida em Ayurveda, Dr. Robert E. Svoboda.

Alguns ramos da medicina ocidental dizem que o Alliums têm benefícios específicos à saúde; o alho é respeitado, pelo menos nos círculos médicos alopatas, como um antibiótico natural. Nos últimos anos, o uso do Alliums vegetal tem sido estudada, quanto a implicações no sistema cardiovascular e as implicações clínicas da cebola e do alho ao consumo alimentar a partir deste ponto de vista ainda não são bem compreendidos.

No entanto, ainda há muitas coisas negativas a dizer sobre o alho e a cebola. Não tão bem conhecido é o fato de que o alho no estado bruto, pode carregar a nocivas bactérias como a do botulismo (potencialmente fatal). Talvez seja com consciência disso que o poeta romano Horácio escreveu que o alho é “mais prejudicial do que cicuta”.

Deve ser salientado que o alho e a cebola são evitados aos adeptos de crescimento espiritual, porque eles estimulam o sistema nervoso central, e podem perturbar os votos de celibato. O alho é um afrodisíaco natural. A medicina Ayurvédica sugere ser um tônico impotência sexual, debilidade sexual, impotência de excesso de indulgência em sexo e esgotamento nervoso de dissipação de hábitos sexuais. É dito que é especialmente útil para os velhos com alta tensão nervosa e impotência sexual.

Há milhares de anos os taoístas predizem que as plantas da família aliáceos são prejudiciais aos seres humanos em seu estado saudável. Em seus escritos, um sábio Tsang-tsé descreveu o Alliums como os “cinco legumes picantes e perfumados” – diz que cada um tem um efeito negativo sobre um dos seguintes cinco órgãos – fígado, baço, pulmões, rins e coração. Especificamente, as cebolas são prejudiciais para os pulmões, o alho ao coração, alho-poró ao baço, cebolinha para o fígado e cebolinhas para os rins.

Tsang-tsé disse que estes vegetais contém cinco tipos diferentes tipos de enzimas que fazem com que “as reações da respiração seja repugnante, o odor extra-sujo de suor, movimentos do intestino levam a indulgência lasciva, aumentar a agitação, ansiedade e agressividade”, especialmente quando consumidos crus .

Coisas semelhantes são descritos na Ayurveda. “Assim como produzir hálito e odor corporal, estas plantas aliáceas induzem à irritação, agitação, ansiedade e agressividade. Assim, eles são prejudiciais fisicamente, emocionalmente, mentalmente e espiritualmente.

Por volta da década de 80, em sua pesquisa sobre o funcionamento do cérebro humano, o Dr. Robert [Bob] C. Beck, DSc. descobriu que o alho tem um efeito negativo sobre o cérebro. Ele descobriu que o alho de fato é tóxico para o homem porque sua “sulfona íons hidroxila” penetra a barreira hemato-encefálica sendo tóxicos para as células do cérebro.

Beck explicou que, desde os anos 50, se sabia que o alho reduziu o tempo de reação de duas a três vezes quando consumidos pelos pilotos em testes de vôo. Isso ocorre porque os efeitos tóxicos do alho dessincronizam as ondas cérebro. “O médico a cada mês lembrava a todos nós:” Não ouse tocar em qualquer alho 72 horas antes de voar um dos nossos aviões, porque ele vai dobrar ou triplicar o seu tempo de reação. Você está três vezes mais lento do que seria se você não houvesse ingerido alho. “

É precisamente pela mesma razão, a família de plantas de alho tem sido amplamente reconhecida como sendo prejudiciais aos cães.

Mesmo quando o alho é usado como alimento na cultura chinesa é considerado nocivo para o estômago, o fígado e os olhos, e uma causa da tontura e da energia dispersada quando consumidos em quantidades imoderada.

O alho nem sempre é visto como tendo propriedades totalmente benéficas na culinária ocidental e na medicina. É amplamente aceito entre os profissionais de saúde que, além de matar bactérias nocivas, o alho também destrói as bactérias benéficas, que são essenciais para o bom funcionamento do sistema digestivo.

Os praticantes de Reiki explicam que alhos e cebolas estão entre as primeiras substâncias a serem expulsas do organimo de uma pessoa – juntamente com o tabaco, álcool e medicamentos farmacêuticos. Isto torna evidente que aliáceos tem um efeito negativo sobre o corpo humano e devem ser evitados por razões de saúde.

A medicina homeopática chega à mesma conclusão, quando se reconhece que a cebola vermelha produz uma tosse seca, os olhos lacrimejantes, espirros, corrimento nasal e outros sintomas relacionados com calafrios quando consumida.

Estas são apenas algumas das razões para eu evitar alho-poró, cebolinha, cebolinha, alho e cebola.


Fonte: e-mail enviado Krpa Vaisnava dd (HDG)

o artigo em está em http://krishna.com/why-no-garlic-or-onions

Sementes Germinadas






A germinação é a fase mais nutritiva da semente. Nela, o valor nutricional dos grãos assemelha-se ao de frutas e verduras e os teores de proteínas, vitaminas e minerais estão elevados. Os brotos disponibilizam ainda uma série de minerais, enzimas, fito-hormônios e antibióticos naturais e funcionam como substâncias alcalinizadoras do organismo. O processo de germinação corresponde a uma espécie de pré-digestão, em que as proteínas são decompostas em aminoácidos, os carboidratos em açúcares e as gorduras em ácidos graxos. Assim, as sementes germinadas são de mais fácil absorção pelo organismo, muito mais ricas e cheias de vida!!!


Foto Kirlian tirada a uma semente germinada notando-se a energia bem viva!
Primeiro, escolha algumas sementes. Lave-as e coloque-as em um vidro.
Cubra com água. No dia seguinte, escorra a água e lave bem as sementes.
Deixe o vidro num local à sombra e fresco. Uma vez por dia, lave as sementes com bastante água potável, até elas germinarem.

Dependendo da semente, a germinação pode variar de dois, quatro a sete dias. Lave e escorra os brotos quando estiverem prontos para o consumo. Para armazená-los, guarde-os no refrigerador em um recipiente forrado com papel toalha para mantê-lo secos e evitar a proliferação de fungos. Você ainda pode fazer farinha com seus grãos germinados. Basta secá-los ao sol, moê-los e coá-los em seguida com auxílio de uma peneira.

Os utensílios usados durante o preparo do alimento influem em sua energia. Portanto, é aconselhável que se dê preferência aos seguintes materiais: vidro, madeira e barro.