Arquivo mensal: maio 2010

Cantando Japa com Srila Prabhupada

Biografia – Srila Bhaktsiddhanta (video)






~ The Universal Teacher ~
Srila Bhaktsiddhanta Sarasvati Thakur
 Video Biography

 

Fonte: Krishnatube.com

O Avatar Dourado ( DOC. )

Pequeno documentário(em Inglês) sobre Sri Caitanya Mahaprabhu.

Instruções do Guru


” A habilidade do estudante para de fato compreender a mensagem das escrituras depende do favorecimento do mestre espiritual autêntico”.
Bhakti Vikasa Swami




Alguns devotos e simpatizantes do movimento questionam por que Srila Prabhupada impôs tão alto padrão devocional para os devotos serem iniciados. Ao invés de dezesseis voltas de japa, poderiam ser quatro… Por que tanta ênfase nos quatro princípios regulativos? Ser vegetariano não bastaria?… Eles dizem que esses requisitos seriam para aqueles que desejam ser monges, o que, hoje em dia, é cada vez mais raro; que se o padrão de iniciação não fosse tão rígido, muitos mais devotos poderiam ser iniciados; que muitos seguem estritamente o padrão na iniciação, mas depois relaxam e não conseguem se manter os votos; que aqueles que, depois de iniciados, não conseguem, por vários motivos, seguir a votos feitos na hora da iniciação, ficam com certo sentimento de culpa, ficam frustrados ou cínicos, e outras reações psicológicas anormais. Todos esses argumentos são revestidos de certa dose de lógica e têm, também, sempre alguns exemplos que os comprovam. A dúvida, então, fica: Estaria Srila Prabhupada errado? Estaria ele exagerando? Não seriam esses requisitos para iniciação algo fora da realidade de nosso tempo?


Esse tema é realmente muito sensitivo e requer bastante sobriedade para ser compreendido. Maya, por sua vez, torna-se cada vez mais poderosa e ousada. Ainda por cima, nosso movimento, embora muito bem sucedido em muitas partes do mundo, ainda não é uma instituição completamente forte e super organizada para ter todas as armas para enfrentar maya, particularmente aqui no Brasil. Ainda não temos condições físicas para dar abrigo a todos que gostariam de participar de uma comunidade, principalmente àqueles já com família constituída.


Apesar de tudo isso e considerando-se todos esses fatores, no fim de tudo a conclusão que fica é que o mais sensato é, sem dúvida, manter tudo o que Srila Prabhupada idealizou para a sua missão e não tratar de modificar o padrão por ele estabelecido. Qual é a garantia de que qualquer mudança seria efetiva? Não há nenhuma garantia. O mais provável seria que a situação poderia piorar se alterássemos as instruções de Prabhupada.


Srila Prabhupada é um achárya dotado de poder por Krishna. Não fosse isso, ele não teria a shakti para espalhar a consciência de Krishna por todo o mundo. Portanto, o melhor para nós é segui-lo. Srila Prabhupada idealizou uma sociedade internacional de devotos de alto nível, que tivessem a oportunidade de praticar o serviço devocional por toda a vida. Ele construiu uma sociedade de devotos interessados em auto-realização. Ele não se contentou em estabelecer uma instituição com uma religiosidade cosmética, simplesmente para agradar o público e coletar muito dinheiro. Não!_ ele desejava ardentemente que seus discípulos e seguidores tornassem devotos puros e alcançassem a liberação nessa vida. Ele deu todas as garantias para isso.


Srila Prabhupada nos deu o padrão ideal para um vaishnava. É muito importante ter sempre um ideal elevado na vida. Temos sempre que perseguir a perfeição. A perfeição é difícil de ser atingida? Sim, com certeza, mas não devemos desistir. Os devotos que são iniciados devem ter essa experiência: “Sou capaz de cantar 16 voltas de japa diárias e seguir os quatro princípios”. É muito importante ter essa experiência. Se o padrão exigido fosse baixo_ a gente sabe como as coisas são_ a maioria ficaria acomodada nesse padrão eternamente.


Temos que entender que consciência de Krishna é um processo de auto-realização e auto-realização exige certo esforço e muita determinação. Alguém pode argumentar: “Mas isso traz certa ansiedade”. Sim, mas essa ansiedade é natural e benéfica, não é uma ansiedade neurótica. Os pais responsáveis, por exemplo, têm muita ansiedade para educar propriamente os filhos. Isso é natural e benéfico.


Certos devotos, depois de iniciados, têm dificuldades de manter os votos. Isso é um fato. Que podemos fazer? Krishna, no coração, como Paramatma, está acompanhando a trajetória do devoto e sabe qual é o grau de sinceridade que cada um tem. Quanto a nós, ficamos orando a Krishna e tentamos ajudar para ele ou ela possa retornar ao padrão ideal. O importante é não perder de vista a meta última da vida. Deve-se procurar estar sempre em associação com os devotos, ler constantemente os livros de Srila Prabhupada, oferecer o alimento, observar as celebrações nos dias sagrados, como Janmastami, Goura-purnima, etc._ essas são apenas alguns dos requisitos para uma vida espiritual saudável. O Senhor Krishna diz no Bhagavad-gita: satatam kirtayanto mam yatantas ca drdha-vratah_ “Sempre cantando Meu nome e glórias; esforçando-se (yatantas) em seguir os votos (vrata) com grande determinação (drdha)”. Isso significa que o próprio Krishna afirma que é necessário que haja esforço por parte do devoto. Quem relaxa e se acomoda, dá espaço para maya se infiltrar na consciência.


Aqueles que desejarem, podem fazer seus comentários sobre esse tema.
Espero que esta encontre a todos felizes na consciência de Krishna.
Purushatraya Swami


Doações p/ a Construção do Templo de Goura Vrindávana
 
Texto encontrado no blog: diasdekali.blogspot.com

A degradação natural das religiões




Palestra de Srila Bhaktivinoda Thakur em 1869.



Gostamos de ler um livro que nunca tínhamos lido. Ficamos ansiosos em obter toda informação contida nele, e com tal obtenção, nossa curiosidade cessa. Este espírito de estudo prevalece entre um grande número de leitores que são grandes pessoas em sua própria apreciação, bem como na apreciação de seus semelhantes. De fato, em sua maioria, os leitores são meros repositórios de fatos e afirmações feitas por outras pessoas. Mas isso não é estudo. O estudante deve ler os fatos com o propósito de criar, e não com o objetivo de retenção infrutífera. Os estudantes, como satélites, devem refletir toda luz que recebem dos autores, e não aprisionar os fatos e pensamentos assim como os magistrados aprisionam os criminosos na cadeia!

O pensamento é progressivo.O pensamento do autor tem que progredir no leitor, na forma de correção ou desenvolvimento.O melhor crítico é aquele que pode mostrar o desenvolvimento subseqüente de um velho pensamento; mas o mero denunciador é o inimigo do progresso e, conseqüentemente, da natureza. O progresso é certamente a lei da natureza, e devem haver correções e desenvolvimento com o progresso do tempo. Mas, progresso significa ir adiante ou se elevar cada vez mais. O crítico superficial e o leitor infrutífero são os dois grandes inimigos do progresso. Devemos evitá-los.

O verdadeiro crítico, por outro lado, aconselha-nos a preservar aquilo que já obtivemos e ajustar nossa marcha a partir do ponto onde chegamos no calor de nosso progresso. Ele nunca nos aconselhará a voltar ao ponto de onde começamos, uma vez que sabe plenamente que, naquele caso, haverá uma perda infrutífera de nossos preciosos tempo e trabalho. Ele orientará o ajuste do ângulo de nossa marcha a partir do ponto que estamos.

Esta é também a característica do estudante útil. Ele lerá um velho autor e encontrará sua posição exata no progresso do pensamento. Ele nunca proporá queimar um livro sob a alegação de que contém pensamentos inúteis. Nenhum pensamento é inútil. Os pensamentos são meios pelos quais alcançamos nossos objetivos. O leitor que denuncia um mau pensamento não sabe que uma má estrada é até mesmo capaz de melhorar e desembocar em uma boa. Um pensamento é uma estrada que leva a outra. Assim, o leitor observará que um pensamento, que é o objeto hoje, será o meio de um objeto subseqüente amanhã. Os pensamentos necessariamente continuarão a ser uma série interminável de meios e objetos no progresso da humanidade.

Os grandes reformadores sempre afirmarão que vieram não para destruir a antiga lei, mas para cumpri-la. Valmiki, Vyasa, Platão, Jesus, Maomé, Confúcio e Chaitanya Mahaprabhu afirmam este fato expressamente ou por sua conduta.

Nosso crítico, entretanto, pode nobremente nos dizer que um reformador como Vyasa, a menos que, puramente explicado, pode levar em pouco tempo, milhares de homens a uma situação – problemática. Mas, querido crítico, estude a história das eras e países! Onde você encontrou um filósofo e reformador plenamente compreendido pela população? A religião popular é medo de Deus, e não o puro amor espiritual que Platão, Vyasa, Jesus e Chaitanya ensinaram aos seus respectivos povos! Quer você dê a religião absoluta em expressões figurativas ou simples, ou a ensine por meio de livros ou palestras orais, o homem ignorante e o homem não pensativo certamente a degradarão.

Na verdade é muito fácil dizer, e agradável ouvir, que a Verdade Absoluta tem tal afinidade com a alma humana que se revela de modo como que intuitivo, e que nenhum esforço é necessário para ensinar os preceitos da verdadeira religião, mas essa é uma idéia enganosa. Pode ser verdade no que diz respeito à ética e ao alfabeto da religião, mas não no que se refere à forma mais elevada de fé, que requer uma alma exaltada para compreendê-la. Todas as verdades superiores, embora intuitivas, requerem prévia educação nas verdades mais simples. A religião mais pura é aquela que dá a idéia mais pura de Deus. Como, então, é possível que o ignorante obtenha a religião absoluta, enquanto permanece ignorante?

Assim, não devemos escandalizar o Salvador de Jerusalém ou o Salvador de Nadia por esses males subseqüentes. Iluminadores em vez de críticos, é o que queremos para a correção daqueles males através da verdadeira interpretação dos preceitos originais.

Deus nos dá a verdade, como deu a Vyasa, quando buscamos avidamente por ela. A verdade é eterna e inexaurível. A alma recebe uma revelação quando está ansiosa por ela. As almas dos grandes pensadores de eras passadas, que agora vivem espiritualmente, freqüentemente se aproximam de nosso espírito indagador e o assistem em seu desenvolvimento. Assim, Vyasa foi ajudado por Narada e Brahma. Nossos shastras, ou em outras palavras, livros de pensamento, não contêm tudo que poderíamos obter do Pai infinito. Nenhum livro está desprovido de erros. A revelação de Deus é Verdade Absoluta, mas é escassamente recebida e preservada em sua pureza natural. Somos aconselhados no Srimad-Bhagavatam (1 1.14.3) a acreditar, que a verdade, quando revelada, é absoluta, mas obtém a mácula da natureza do receptor no decorrer do tempo, e se converte em erro pela contínua troca de mãos de era para era. Novas revelações, portanto, são continuamente necessárias para manter a verdade em sua pureza original. Assim, somos advertidos a ser cuidadosos em nossos estudos de velhos autores, por mais sábios que eles sejam no que diz respeito à sua reputação. Aqui, temos plena liberdade de rejeitar a idéia errônea, que não é sancionada pela paz da consciência.

Vyasa não estava satisfeito com aquilo que coletou nos Vedas, dispôs nosPuranas, e compôs no Mahabharata. A paz de sua consciência não sancionava seu trabalho. Ela lhe dizia internamente, “Não, Vyasa! Não descanse contente com o quadro errôneo da verdade que aprendeu com os sábios de dias passados! Deve, você mesmo, bater à porta do reservatório inexaurível da verdade, do qual os sábios antigos retiraram sua riqueza. Vá! Vá à fonte da verdade, onde nenhum peregrino encontra qualquer tipo de desapontamento”. Vyasa o fez e obteve o que desejava. Todos nós somos aconselhados a fazer o mesmo. A liberdade, então, é o princípio que devemos considerar como a mais valiosa dádiva de Deus. Não devemos permitir que sejamos liderados por aqueles que viveram e pensaram antes de nós. Devemos pensar por nós próprios e tentar obter verdades subseqüentes, que ainda não estão descobertas. No Srimad Bhagavatam (11.21.23), somos aconselhados a absorver o espírito dos Shastras, e não as palavras. O Bhagavata é, portanto, uma religião de liberdade, verdade sem misturas e amor absoluto.

A outra característica é o progresso. A liberdade certamente é a mãe de todo o progresso. A santa liberdade é a causa do progresso cada vez mais elevado na eterna e interminável atividade de amor. Liberdade mal usada causa degradação, e o vaishnava deve usar sempre, cuidadosamente, essa elevada e bela dádiva de Deus.

O espírito deste texto se apresenta para honrar todos os grandes reformadores e mestres que viveram e viverão em outros países. Ovaishnava está pronto a honrar todas pessoas, sem distinção de casta, porque são plenos da energia de Deus. Quão universal é a religião doBhagavata. Ela não se destina a uma certa classe de hindus apenas, mas é uma dádiva para as pessoas em geral, em qualquer país que nasçam, e em qualquer sociedade onde foram geradas. Em suma, o Vaishnavismo é o Amor Absoluto que une todas pessoas ao infinito, não-condicionado e absoluto Deus. Que a paz reine para sempre em todo universo no contínuo desenvolvimento de sua pureza, através do esforço dos futuros heróis, que serão abençoados, de acordo com a promessa do Bhagavata, com poderes do Pai Todo-Poderoso, o Criador, o Preservador, e o Destruidor de todas as coisas no Céu e na Terra.

Srila Bhaktivinoda Thakur ki jaya!







ENTREVISTA AO FÍSICO QUÂNTICO AMIT GOSWAMI

O programa Roda Viva (Tv Cultura) entrevistou o físico nuclear indiano AMIT GOSWAMI. Considerado um importante cientista da atualidade ele tem instigado os meios acadêmicos com sua busca de uma ponte entre a ciência e a espiritualidade. Amit Goswami vive nos Estados Unidos. É PHD em física quântica e professor titular de física da Universidade de Oregon. Há mais de quinze anos está envolvido em estudos que buscam construir o ponto de união entre a física quântica e a espiritualidade. Já foi rotulado de místico, pela comunidade científica, e acabou acalmando os críticos através de várias publicações técnicas a respeito de suas idéias. Em seu livro O UNIVERSO AUTOCONSCIENTE – publicado no Brasil – ele procura demonstrar que o Universo é matematicamente inconsistente sem a existência de um conjunto superior – no caso, DEUS. E diz que, se esses estudos se desenvolverem, logo no início do terceiro milênio Deus será objeto de ciência e não mais de religião.






Freira beneditina e a vacina da gripe AH1N1



A irmã beneditina espanhola, Teresa Forcades, doutora em medicina, começou um movimento civil na Internet para impedir que a vacina contra a gripe AH1N1 seja obrigatória e contra a gestão da doença.

Em um vídeo que ela postou na rede, essa irmã faz um chamado à participação popular para que ninguém possa ser forçado a ser vacinado na Espanha e para que aqueles que sejam vacinados não percam seu direito a exigir responsabilidades se sofrerem efeitos colaterais.
A reportagem é de Gaspar Hernández, publicada no sítio Religión Digital e no jornal catalão El Periódico, 08-10-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto.
Teresa Forcades é autora de “Los crímenes de las grandes compañías farmacéuticas”, um livro em que denuncia como o poder político e econômico que as grandes empresas farmacêuticas adquiriram serve-lhes para garantir enormes benefícios econômicos, mesmo às custas da saúde da população.
A freira e doutora explica que a vacina contra a gripe AH1N1 é obrigatória por causa da declaração de pandemia por parte da Organização Mundial da Saúde, já que, segundo lembra, desde 2005 a OMS pode dar ordens aos governos sobre vacinas em casos de pandemias.
Forcades explica em seu vídeo (http://www.tv3.cat/videos/1313539) em espanhol, que “a nova gripe”não é nova porque é do tipo A, nem por ser do subtipo H1N1. A única coisa que é nova é pertencer à cepa S-OIV.
Ela lembra que a epidemia de gripe de 1918 foi do tipo AH1N1 e que, desde 1977, os vírus AH1N1 fazem parte da temporada de gripe de cada ano.
A religiosa destaca que, desde que essa enfermidade começou a ser detectada em abril de 2009 e até o dia 15 de setembro de 2009, morreram 137 pessoas na Europa e 3.559 em todo o mundo, quando, por sua vez, por causa da gripe estacional, falecem entre 40.000 e 220.000 pessoas.
Multiplicação de efeitos secundários
A doutora também alerta que a maioria dos laboratórios projetam vacinas em duas doses, que devem se somar à vacina da gripe estacional, algo que nunca se fez e que multiplica por três os possíveis efeitos secundários.
Ela também revela que os laboratórios que fazem vacinas usam coadjuvantes muito potentes para estimular o sistema imunitário, e que a vacina que o laboratório Glaxo-Smith-Kline está fabricando contém um, denominado AS03, que multiplica por dez a resposta imunitária, o que poderia provocar doenças autoimunitárias graves ao cabo de um tempo.
As empresas farmacêuticas, segundo essa freira, estão exigindo que os Estados firmem acordos ed imunidade para que, em caso de as vacinas terem mais efeitos secundários dos previstos, a indústria fique isenta de toda responsabilidade.
Leia a entrevista abaixo, ou assista o vídeo, em espanhol, no endereço http://www.tv3.cat/videos/1313539
O que faz uma freira falando na Internet sobre os perigos da vacina da gripe A?
Nossa regra prescreve cinco horas de oração e seis de trabalho. Ora et labora. Eu dedico as horas de trabalho em parte à pesquisa médica. Sou doutora em medicina e, em 2006, publiquei o estudo “Los crímenes de las grandes compañías farmacéuticas”.
Quando decidiu que tinha que falar sobre a gripe A?
Em maio deste ano, me pediram uma conferência sobre a vacina do papiloma e fiquei muito impactada pela falta de base científica das recomendações oficiais. Ao final de alguns dias, falei com na TV-3 sobre essa vacina e, a partir daí, fui recebendo pedidos para que opinasse sobre a vacina da gripe A.
A Organização Mundial da Saúde não merece confiança?
Não entendo os motivos que levaram a OMS a atuar da maneira absurda que está agindo.
Absurda?
Sim. Em maio passado, a OMS mudou a definição oficial de pandemia: passou de uma definição lógica (uma pandemia é uma infecção de alcance global e de grande mortalidade) para uma definição ilógica (uma pandemia é uma infecção de alcance global).
Que consequências tem essa mudança?
Segundo a nova definição de pandemia, a gripe de cada ano cumpre com acréscimo os requisitos para ser pandemia. Vamos declarar o mundo em alerta sanitário a cada outono? Além de absurdo do ponto de vista científico, isso tem graves consequências financeiras e políticas.
A senhora não confia na vacina. Por quê?
Diferentemente da vacina da gripe de cada ano, a vacina da gripe A contém substâncias coadjuvantes tão potentes que podem chegar a multiplicar por dez a resposta imunitária normal. Além disso, ela é recomendada em duas doses, que devem ser recebidas após a injeção da gripe estacional, que também contém coadjuvantes, mesmo que de menor potência. Nunca antes se injetaram essas substâncias três vezes seguidas na população geral, começando por crianças, doentes crônicos e grávidas.
Que efeitos pode provocar?
A estimulação artificial do sistema imunitário pode provocar doenças autoimunitárias. O mesmo prospecto de duas das vacinas da gripe A que foram aprovadas na Europa (Pandemrix e Focetra) indica que se espera que, de cada milhão de pessoas vacinadas, 99 podem experimentar uma doença autoimunitária conhecida como paralisia ascendente de Guillain-Barré.
Se isso acontecer, as indústrias farmacêuticas irão receber denúncias…
Mas nos Estados Unidos já foi aprovado um decreto que exime os políticos e as indústrias farmacêuticas de toda responsabilidade.
A senhora sugere que as indústrias farmacêuticas trabalharam irresponsavelmente?
O que fizeram foi trabalhar a favor de seus interesses.
Pode-se obrigar alguém a se vacinar?
No ano 2007, a OMS aprovou uma normativa que estabelece uma exceção. Em todos os casos, exceto um, a OMS emite recomendações e só em um caso ela pode dar ordens que invalidem a soberania dos países membros.
Esse caso é o da pandemia.
Exato. Em caso de pandemia, a OMS pode obrigar por lei que os países membros vacinem uma parte de sua população ou toda ela. Os governos desses países estariam obrigados, então, a impôr multas ou outras sanções aos cidadãos que se neguem a se vacinar.
A senhora acredita em conspirações mundiais?
Acredito que há interesses em jogo que não são o bem da população. Como justificar o dinheiro investido na aquisição de vacinas, se a gripe A é mais benigna do que a gripe de cada ano? Gastar tanto dinheiro em vacinas e em medidas profiláticas sem a base científica suficiente é um escândalo, e devem ser pedidas responsabilidades.
O que as suas coirmãs dizem sobre o vídeo e suas afirmações?
Uma irmã de quase 90 anos me objetou que o tema da gripe A era muito sério e que eu não podia falar contra a vacina sem ter argumentos muito bem fundamentados.
E?
Após ler meu informe, ela se aproximou de mim na saída da oração de Vésperas e simplesmente me disse: “Compreendido”.
A senhora não tem medo?
Às vezes.
Reza muito?
Tanto quanto posso.



Aula Filosofia Vedanta (PSW)

Aula sobre Filosofia Vedanta dada pelo querido Maharaja Purushatraya Swami.


\/ baixe \/


Aulas Nectárias

Aula do Prabhu Jaya Advaita Das
Festival de Domingo, abril/10
Templo Hare Krishna – Rio de Janeiro


\/ Baixe \/

Videos curtos, Aprendizados Amplos (Srila Prabhupada)

 

Vídeo curto com trechos de uma conversa em um passeio de carro depois da caminhada matinal (Denver, 1975).
Vídeo curto gravado em 1974, com a despedida de Srila Prabhupada em Melbourne, Austrália.
Chegada em Pittsburg e trecho de uma aula do Srimad Bhagavatam.
“Um nārāyaṇa-para não está interessado em nenhum sistema planetário dentro deste universo material, pois ele está situado no Bhahman transcendental. Isso é, além deste universo material.”
Conversa gravada em 1976, onde Srila Prabhupada conversa com os pais de Vaikunthanath, em Nova Vrindavana.
“Dessa forma, consciência de Deus é destinada a quem é livre de pecado.
Você não pode se tornar consciente de Deus e ao mesmo tempo ser pecaminoso, isso é trapaça.
Você não pode se tornar consciente de Deus e ao mesmo tempo pecaminoso, isso não é possível.
Dessa forma, qualquer um pode entender se é consciente de Deus ou não,
julgando suas próprias ações.
Não existe necessidade de solicitar um certificado externo.”